E o que vem depois?

E o que vem depois?

O gráfico a seguir é do Fundo Monetário Internacional (FMI). Mostra o comportamento dos preços de uma cesta de commodities. No percurso da linha entre os eixos é fácil reconhecer a crise de 2008, a de 2016, e a pandemia, em 2020. É interessante notar também a força da interrupção da oferta, em especial devido […]

QUE A FORÇA ESTEJA CONOSCO

QUE A FORÇA ESTEJA CONOSCO

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) acaba de aprovar um aumento de 54% no orçamento da Conta de Desenvolvimento Elétrico. A fatura será paga – adivinhem, só? –, pelos consumidores. Isso fere a competitividade da indústria. O Brasil, abençoado por Deus e bonito por natureza, ganhou de presente rios caudalosos, biodiversidade farta e clima […]

Tem tudo para dar errado…

Tem tudo para dar errado…

A tragédia da América é que entrou em todas as guerras com um consenso a favor delas, mas dentro de um período definido, a legitimidade da guerra tornou-se uma grande questão doméstica, com algumas pessoas argumentando que a retirada era o único objetivo legítimo. Henry Kissinger Certas escolhas se mostram críticas antes mesmo de prevalecerem. […]

Esses indianos retrógrados…

Esses indianos retrógrados…

Qual deve ser o papel do Estado no desenvolvimento da indústria no Brasil?  Essa reflexão tem sido o principal tema desse blog nos últimos anos. O Brasil (governo e sociedade) precisa repensar o papel da sua indústria e propor alternativas para mitigar a perda de competitividade do setor. Para enfrentar esse desafio gigantesco e urgente, […]

Larry Fink – Delírios de Wall Street

Larry Fink – Delírios de Wall Street

O filme Barton Fink – Delírios de Hollywood (1991), conta a história de um jovem dramaturgo de New York contratado para escrever roteiros para um estúdio em Hollywood. Toda vez que ele tenta começar um texto, algo acontece que o impede de escrever. Além do sobrenome, Laurence D. Fink, diretor-geral da BlackRock, a maior gestora […]

Descarbonizando o guarda-roupa?

Descarbonizando o guarda-roupa?

Em março do ano passado, tinha quase certeza de que a pandemia modificaria o nosso guarda-roupa. O estilo mais casual do home office iria diminuir o consumo fugaz e inconsequente de roupas, comportamento que movimenta a indústria têxtil, capaz de produzir até 50 novas coleções anualmente. (https://blogdomiltonrego.com.br/o-guarda-roupa-e-o-coronavirus/ ) Um ano depois, minha conclusão é que, apesar […]